Resenha do filme: Tudo sobre minha mãe (Todo sobre mi madre)

Falar sobre Almodóvar é complicado, pois seus filmes são verdadeiras obras de arte.
No dia do aniversário de Esteban, Manoela (mãe do rapaz) dá de presente um ingresso para uma peça de teatro chamado “Um bonde chamado desejo”, estrelado por Human Rojo. Após o espetáculo, ao tentar pegar um autógrafo de Huma, Esteban é atropelado e morre. Manoela resolve ir em busca do pai de seu filho, que vive em Barcelona. No caminho ela encontra: a transexual Agrado, Rosa freira que está grávida, os pais da moça e Huma.

O filme demonstra a transgressão aos valores morais sociais que permeiam o sexo, casamento, maternidade e família burguesa. Há muitas coisas que podemos falar do mesmo, mas vou focar no contraste entre duas as figuras maternas: Manoela e Rose (mãe da freira Rosa).

Manuela é uma mãe extremamente dedicada e super protetora. Possivelmente, ela tenha buscado na maternidade uma fuga para a separação do marido (pai do garoto). Aparentemente toda a sua libido ficou concentrada nessa função. Em um diálogo entre Manuela e Esteban, a personagem fala que faria tudo pelo seu filho. O rapaz é fusionado à mãe, como podemos perceber em seu escrito. No entanto, ele sente falta de parte da sua história que é ocultada pela mesma a fim de protegê-lo.

A personagem Rose é uma mulher moralista, rígida e não demonstra muito afeto por sua filha. A relação vivida entre Rose e Rosa é marcada pela indiferença, ausência e superficialidade.

Possivelmente, a mãe da freira seja considerada uma mãe morta, ou seja ausente psiquicamente da filha. Em um diálogo entre Rose e Manuela, a primeira diz que a filha desde pequena era muito diferente da família, parecendo uma extraterrestre.

Rose demonstra acreditar em um ideal de pessoa e de família, fechando-se para diversas possibilidades de existência. Talvez, pelo seu caráter narcisista não tenha conseguido amar Rosa, pois somente poderia se identificar com algo que fosse sua imagem e semelhança.

Manuela tem um caráter completamente diferente, pois sente empatia pelo diferente. Percebemos que tem uma relação afetuosa com Agrado, começa a cuidar de Huma e posteriormente acaba cuidando de Rosa.

A partir dessas considerações, compreendo que Almodôvar teceu nesse filme a diversidade do universo feminino com grande maestria.

Verdadeira obra prima!

Data de lançamento 8 de outubro de 1999 (1h 41min)
Direção: Pedro Almodóvar
Gênero Drama
Nacionalidades Espanha, França

Ver o trailer

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s