Resenha: Livro Quem me roubou de mim? Padre Fábio de Melo

“Há pessoas que nos roubam
Há pessoas que nos devolvem.”

Esse foi um livro gostei muito de ter lido, posso dizer que me agregou profundamente. Mesmo que você não seja religioso, acredito que essa obra poderá contribuir para seu auto-conhecimento.
O assunto principal versa sobre o perigo da perda da identidade ou subjetividade, que pode acontecer nas relações humanas, mesmo aquelas em que a relação é mediada pela afetividade.
O Padre começa falando a respeito do sequestro do corpo, do cativeiro e do relacionamento entre vítima e algoz. O sequestrado passa a confiar sua vida ao sequestrador, que a retirou de seu mundo e do convívio com as pessoas que amam. Por um espaço de tempo a pessoa deixará de ser ela, deixará de ter um eu, pois o seu poder pessoal estará nas mãos do bandido.
A mesma coisa acontece com o sequestro da subjetividade, só que não é o corpo que está preso, mas a mente da pessoa. Toda e qualquer forma de rapto da subjetividade implica rupturas dolorosas e esquecimentos de valores. Por isso, segundo o autor, os sequestros são experiências diabólicas.
Fabio de Melo diferencia as relações simbólicas das relações diabólicas, estabelecendo uma contradição entre elas: “Relações simbólicas são capazes de nos fazer voltar para o que somos. Relações diabólicas nos distanciam de nós mesmos.”
Relações de sequestro de subjetividade são comuns em nosso cotidiano e ocorrem de forma velada. Pessoas que são incapazes de compreender os limites de suas próprias histórias, passam a buscar nos outros os preenchimentos de suas lacunas. Um amor que não existe na prática, mas consiste em uma tentativa de mudar o outro.
O autor nos alerta para o perigo do amor romântico, em que a pessoa amada é vista, de forma consciente ou não, como a primeira responsável pela satisfação dos desejos e necessidades de seu amante. Também, o fato de que muitas pessoas são utilizadas como objeto de prazer pelo outro, porém não há desejo de permanecer com ela.
A máxima do sequestro da subjetividade consiste em desumanizar o outro, não compreendendo que cada um possui histórias e experiências diversas, privar a pessoa de ser ela mesma constitui um assassinato, pois a mesma deixa de existir.

Anúncios

Um comentário sobre “Resenha: Livro Quem me roubou de mim? Padre Fábio de Melo

  1. Pingback: Quem me roubou de mim? – Pe. Fábio de Melo | Capital Rosa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s