Opinião: Filme A escolha de Sofia – Alan J. Pakula ( baseado no romance de William Styron).

Se você é uma pessoa sensível a spoilers, peço que não leia essa resenha antes de ver ao filme. Não tive como dar uma opinião sobre essa obra, sem contar sobre a escolha de Sofia. Assista primeiro, depois leia.

O filme narra a história de um aspirante a escritor, chamado Stingo, no ano de 1947. O jovem procedente do Sul, chega ao Brooklin e conhece a polonesa Sofia Zawistowska (excelente atuação de Meryl Streep) e seu esposo Nathan.

Sofia e Nathan vivem em um relação de amor e ódio, um relacionamento permeado por brigas e reconciliações. Ambas as personagens são extremamente desequilibradas, diante do olhar de Stingo, que é o narrador da história.

A partir da observação do relacionamento dos dois percebemos que há algo errado, alguma coisa muito ruim aconteceu no passado de Sofia, que tem um comportamento passivo e submisso, alternando com emoções extremas, provavelmente para esquecer o que aconteceu.

Dentre risadas e passeios, a polonesa aos poucos vai revelando o seu passado e o cineasta utiliza flashbacks, para nos explicar. Seu pai era simpatizante dos nazistas e seu cunhado era da resistência. A irmã de Sofia a convence de traduzir uns documentos, ela se recusa, porém é capturada mesmo assim e enviada para Auschwitz. Começamos a ter pistas de que algo terrível aconteceu.

Stingo acaba se apaixonando por Sofia, apesar de toda a diferença cultural entre eles, e em um momento eles decidem ficar juntos. Nathan é uma pessoa completamente desequilibrada e acaba descarregando a arma pelo telefone, a fim de amedrontar o escritor e sua amada.

Em seguida tem uma das cenas mais emocionantes do cinema, na minha opinião. Stingo e Sofia estão na cama e ele começa a fazer declarações emocionantes a ela, dizendo que a levará para o Sul, para viver em uma fazenda.

A partir dessa cena descobrimos qual foi a escolha. Qualquer pessoa que tenha assistido ao filme, provavelmente se lembrará: Sofia assustada e abraçada aos filhos chega em Auschwitz e vai para uma fila. Um oficial nazista começa a dizer que ela é muito bonita e que dormiria com ela. E também que Sofia provavelmente era uma comunista imunda. Ao que a protagonista responde: Sou cristã, sou polonesa, meus filhos são cristãos. Daí vem a proposta sádica: escolha um dos seus filhos, como polonesa você pode escolher um deles.

Sofia está com sua filha no colo e seu filho agarrado à sua perna. Um deles irá sobreviver, apenas um. O outro vai morrer. Sofia escolhe……

Não é uma escolha, na verdade é um tipo de “escolha” que não tem definição. Ela resulta na morte de um e na destruição psíquica daquele que sobrevive. Não podemos considerar como uma escolha entre A ou B. Nesse caso, se Sofia escolher A ele terá uma existência péssima e B morrerá.

Resultado de imagem para cena do filme a escolha de sofia

Sofia deverá escolher entre um filho e outro. Somente um irá sobreviver. Cena de divulgação.

Eu não sei se algo assim chegou a acontecer na Segunda Guerra, mas é bem plausível, pois os nazistas adoravam experimentos sádicos. Fico imaginando que poucas situações são tão apavorantes, quanto estar em um campo de concentração com dois filhos pequenos e ainda ter que fazer essa “escolha”.

Fica a dica de um filme realmente emocionante e inesquecível!

Anúncios

2 comentários sobre “Opinião: Filme A escolha de Sofia – Alan J. Pakula ( baseado no romance de William Styron).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s