Resenha filme: A Garota Húngara – Attila Szász

O filme começa em uma manhã fria de 1914, com uma caixa de vime flutuando no Rio Danúbio em Budapeste, dentro há um cadáver de uma mulher.

A narrativa versa sobre o assassinato verídico de uma húngara chamada Elza Mágnás (Emília Turcsányi), prostitura rica e famosa. Seu assassinato e o julgamento chocaram o mundo da época, mas hoje o caso só é conhecido na Hungria.

Resultado de imagem para Emília Turcsányi

Foto de Elza Mágnás.

A imagem pode conter: 1 pessoa, close-up

Patrícia Kovacs como Elza Mágnás.

A história é mostrada a partir do ponto de vista da jovem Kató, que é contratada como criada de Elza Mágnás.

Junto com Kató trabalha na residência uma mulher chamada Rószi, de aparência austera e rígida.

A menina fica encantada com Elza, a quem ela chama de senhora.

A patroa da jovem demonstra ter um carisma muito forte. Junto à ela costumam almoçar alguns jovens intelectuais húngaros e um poeta, por quem ela é apaixonada.

No entanto, Elza é mantida por um rico empresário do ramo de móveis, com quem tem um contrato de fidelidade.

Rószi demonstra muito ciúmes de Elza com esse empresário, demonstrando muito desconforto em suas visitas.

As duas eram prostitutas na mesma casa, um lugar frequentado por homens da elite de Budapeste.  Elza acaba tendo mais sorte e, encontrando um homem rico que bancava todos os seus luxos, enquanto Rószi acabou sendo desprezada por ter envelhecido.

A imagem pode conter: 1 pessoa, área interna

As cenas em que Rószi aparece são frias, duras e cinzentas.

Elza e Rószi tem um relacionamento baseado na humilhação. A governanta finge uma subordinação, mas guarda dentro de si muito ressentimento e inveja.

A imagem pode conter: 2 pessoas

Elza recebendo massagens de Kató, enquanto Rószi desprezada trabalha ao fundo.

Descobrimos que o sonho de Elza é protagonizar um filme no papel de Joana D’Arc. Para isso ela pede dinheiro ao seu amante, que diz que só daria se fosse Kató no papel da protagonista.

A partir disso, a patroa demonstra querer transformar a jovem criada em prostituta da elite local.

A imagem pode conter: 2 pessoas, noite

Elza pretende transformar Kató em uma cópia de si mesma.

Ela fala à garota que optou por essa vida, pois não queria terminar em uma fábrica de sabão, como seus pais.

Conforme a narrativa evolui o patrão descobre que Elza o está traindo com o poeta. Ele suborna Rószni que confirma o fato.

A partir disso, temos o desenrolar de uma trama angustiante e perversa.

O filme traz a reflexão da condição feminina na Europa no início do século XX.

Poucas eram as oportunidades em que uma mulher poderia se encaixar. A maioria delas dependia de um bom casamento para poder sobreviver.

Quando caíam na prostituição sofriam (ainda sofrem) um imenso preconceito quando se tornavam mais velhas, sendo descartadas como lixo, como foi o caso de Rózsi.

As mulheres não passavam de propriedades dos homens e quando essas quebravam “contratos”, corriam o risco de pagar um alto preço por isso.

 

Anúncios

4 comentários sobre “Resenha filme: A Garota Húngara – Attila Szász

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s