Resenha filme: Gato Negro – Gartón Gallo

A narrativa versa sobre a vida de Tito Pereyra, um menino de personalidade forte, que vivia no povoado de Tucuman na Argentina.

No início, compreendemos um pouco das características psicológicas da personagem: Ele, com uma bicicleta, aposta corrida com um trem, ou seja, é uma pessoa competitiva.

A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado e violão

Tito competindo com um trem. Personalidade agressiva e competitiva. 

Quando Tito chega em casa, sua mãe está chorando, porque seu pai foi embora, ele grita para ela parar de chorar. Eles vivem em uma extrema pobreza e o menino despreza completamente as pessoas do povoado.

A mãe recebe uma ajuda de um parente e vai para Buenos Aires com os filhos. Lá Tito começa a sair do controle e sua mãe decide colocá-lo em um internato.

No local, ele tem um ataque de raiva e estraga todos os brinquedos. Em seguida ele vê um gatinho preto e começa a cuidar dele. Isso não é aceito pelas freiras, ele apanha e vai para uma espécie de cela, onde está o menino, que tornará seu amigo – o Pirata.

Tito tinha uma personalidade muito forte e violenta e ao mesmo tempo era extremamente terno com gatos e também um bom amigo.

Os meninos decidem sair de Buenos Aires e ir a Mar del Plata, lá eles começam a ganhar a vida pedindo esmolas e abrindo a porta do carro dos ricos.

Em um dia desses, um carro muito bonito estaciona, uma moça com casaco de peles desce e junto dela seu pai. Nesse momento, fica estabelecido um contraste, de um lado o menino esfarrapado e do outro o pai rico.

Tito já adulto começa a trabalhar no povoado de Tucumán em uma fábrica. A ambientação é da década de 50, e mostra as condições terríveis dos trabalhadores.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas em pé, atividades ao ar livre e água

As condições de trabalho nas fábricas são precárias. 

Posteriormente, ele desiste de viver no povoado, abandona sua namorada e vai tentar a vida em Buenos Aires.

A partir da narração de sua vida no lugar, percebe-se o quanto a sociedade é hostil. Não havia lugar para ele nesse ambiente.

Ele vive em uma moradia precária, onde precisa dormir de sapatos para que eles não sejam roubados.

As prostitutas ruivas e loiras, possivelmente de origem européia rondam o ambiente a procura de clientes.

Todo esse cenário nos mostra como as condições de vida são extremamente precárias.

Tito arranja um emprego em uma fábrica de tecidos, como faxineiro. Em uma cena, ele fura uma greve e bate no sindicalista.

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Cena em que o chefe mostra o banheiro, que Tito limpará como faxineiro. A personagem se dedicou bastante na função. 

Apesar das condições de vida indignas a que ele é submetido, ele acredita no sistema e na sociedade.

Posteriormente, ele se torna vendedor e começa a ter destaque na profissão.

Assim, Tito se associa a outros dois capitalistas e começa a contrabandear mercadorias. Ele consegue subir socialmente.

De um beco sujo e feio, ele se casa com uma moça muito bonita e vai morar em uma mansão.

Em cena, Tito bate em um funcionário e lhe diz: – “Eu já fui negro, hoje sou branco, mas sei o que é ser negro.” Interessante, que a questão etnica e de classe se fundem, o negro é o emblema do proletário pobre.

Tito começa a subornar várias pessoas para conseguir seguir com seu negócio e isso terá um preço alto a pagar.

A personagem de Tito, me lembra bastante o Paulo Honório de S. Bernardo de Graciliano Ramos.

Ambas personagens encarnam o self made man, são pessoas que vieram da miséria e se tornaram ricos, ás custas de muito trabalho, mas também de picaretagens e puxações de tapetes.

Eles são pessoas de caráter intepestivo e obstinados, na tenra infância sabem muito bem o que queriam. Não vêem problemas no sistema econômico e social, e nem si mesmos.

Suas ações tem um preço muito alto, mostrando que não é tão simples sair da pobreza e subir socialmente. A sociedade, que coloca o self made man como algo ideal é a mesma que pune.

O espírito do capitalismo, segundo Max Weber, tem em seu cerne a ética protestante, que pressupõe o trabalho duro e disciplina sem excessos de nenhum tipo.

Ambas personagens eram extremamente trabalhadoras e disciplinadas, mas mesmo assim não eram predestinadas à salvação.

A doutrina calvinista é clara, os predestinados tem uma vida reta e a riqueza é uma marca dessas pessoas. Tanto Tito Pereyra, quanto Paulo Honório tinham uma riqueza, advinda de negócios obscuros.

Eles edificaram um castelo de areia e o próprio sistema os puniram.

Leia também:

S. Bernardo – Gracialiano Ramos

https://juorosco.blog/2016/07/19/livro-sao-bernardo-oprimir-e-tao-devastador-quanto-ser-oprimido/

Grande Gatsby – F. Scott Fitzgerald

https://juorosco.blog/2017/02/03/resenha-livro-o-grande-gatsby-the-great-gatsby-uma-critica-ao-capitalismo-sem-a-etica-protestante/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s