Resenha livro: O Amor nos tempos do cólera – Gabriel García Márquez

“Cinquenta anos, nove meses e quatro dias é o tempo que Florentino Ariza espera para conquistar sua amada. ”

Editada no Lumia Selfie

O Amor nos tempos do cólera é um livro, que narra a história de um amor obsessivo, nos moldes do amor romântico. Florentino Ariza é vislumbrado por uma moça chamada Fermina Daza.

O amor romântico aparece associado a uma peste, o cólera. Tanto que Florentino Ariza, quando está loucamente apaixonado tem sintomas, que são confundidos com o cólera: vômitos, diarreia e febre.

A novela se passa em uma cidade inspirada em Cartagena de las Índias na Colômbia, no final do século XIX.

Concomitante a narrativa, a Colômbia está passando por um surto de cólera, peste que não poupou ricos e pobres e também, por várias guerras civis. O enredo é permeado por imagens literárias ruins, como por exemplo, povoados abandonados por conta da doença, assassinatos de peixes-boi e jacarés, prostituição, estupro e pedofilia (mesmo que o narrador não tenha optado por utilizar essas palavras, esses fatos aconteceram).  

WP_20180112_07_35_57_Pro

Fermina Daza é filha de um comerciante, imigrante espanhol. Ele chegou à Colômbia e adquiriu posses, porém, não era considerado rico. O grande projeto de seu pai era investir em sua educação, a fim de conseguir um bom casamento para a filha. A personagem ficou órfã muito pequena e terminou de ser criada por sua tia – Escolástica Daza.

Florentino Ariza é loucamente apaixonado por Fermina Daza. É um telégrafo (responsável por enviar telegramas, uma profissão considerada boa na época). Filho de Transito Ariza; não conheceu o pai.

Juvenal Urbinal é o médico da cidade, considerado o melhor partido pelas jovens solteiras. Era rico e de família aristocrática.

Florentino se apaixona por Fermina, sem nunca ter conversado com ela. A jovem estava em uma pracinha com sua tia, quando ele a viu. Daquele momento em diante, o rapaz vive em função desse amor.

Longas cartas são enviadas por Florentino à sua amada. A primeira tinha 70 páginas. Todas foram compostas com base nas ideias dos poetas românticos, que ele lia na Biblioteca Popular.

Fermina nunca se apaixonou por Florentino. Em um trecho ela diz à tia Escolástica, que via no rapaz uma aura de desamparo e aceita casar-se com ele, desde que não fosse obrigada a comer berinjela.

Quando o pai da moça descobriu, que ela estava trocando cartas com Florentino, a mandou embora para a casa de sua tia. Nessa cidade, ela continua se correspondendo com o rapaz, mas sem grandes sentimentos.

Depois de dois anos, Fermina volta para a casa e vê Florentino Ariza no mercado. A jovem olha para aquele homem e percebe, que não sente nada por ele.

Um dia a personagem adoece e seu pai chama o Dr. Urbino para consulta-la. Ele achou a jovem interessante por sua beleza e altivez.

Em outro momento, o médico vê novamente Fermina Daza e tenta puxar assunto. O pai da jovem percebe o interesse do médico pela filha e praticamente a obriga a se casar com o moço.

O matrimônio foi constituído sem amor de ambas as partes. Não foi propriamente um casamento infeliz, mas não contemplou nenhuma grande emoção.

Florentino Ariza praticamente fica doente quando sabe, que sua amada se casou e prontamente começa a buscar consolo em algumas aventuras amorosas, algumas são bem complicadas. 

No entanto, ele passa a vida toda obcecado por Fermina Daza, seguindo discretamente os seus passos pela cidade e sonhando com a morte do Dr. Urbino.

O casamento Fermina e Urbino é marcado por uma monotonia. Urbino é um marido chato, que vive reclamando da comida e não apaga nem as luzes.

Acredito que a maior emoção de Fermina Daza, enquanto vivia com o marido, foi viajar em um balão. Acontecimento que deixou Florentino ainda mais apaixonado por ela.

Urbino encontrou alguma emoção em sua vida, ao trair sua esposa com uma jovem jamaicana chamada Barbara Linch. Ele chegava com tanto desespero para ter relações sexuais, que nem o terno tirava.

 Como dito anteriormente, o médico morre idoso e horas depois do seu enterro, Florentino Ariza vê a possibilidade de conquistar o grande amor de sua vida. Ela nesse momento está com 71 anos e ele com 76 anos.

O ideal do amor romântico foi propagado no ocidente por obras como Tristão e Isolda e Romeu e Julieta, em que os personagens sofrem horrores e morrem em prol do amor.  O contraponto na referida obra é feito pelo casamento de Fermina e Dr. Urbino. 

A princípio Florentino Ariza personifica o ideal do amor romântico, mas conforme vamos tomando contato com sua personalidade percebemos, que ele é uma figura chata e com muitos problemas, principalmente, em relação à uma de suas aventuras sexuais. 

Dr. Urbino é uma água morna, completamente sem graça. Já  Fermina Daza no final da narrativa é sensacional.

Eu adorei a experiência de ler esse livro. Em vários momentos me questionei, qual o sentido de determinadas passagens. Por mais que algumas pareçam sem propósitos, elas têm um sentido no todo.

Essa obra me deixou com muita vontade de reler Cem Anos de Solidão, possivelmente farei ainda esse ano.

Entrevista de Gabriel García Márquez sobre o livro Amor en los tiempos del colera:

 

 

Anúncios

6 comentários sobre “Resenha livro: O Amor nos tempos do cólera – Gabriel García Márquez

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s