Resenha filme: O Farol das Orcas – Gerardo Olivares

Farol das Orcas é um filme espanhol, baseado em uma história real, ambientado na Patagônia Argentina, Península de Valdés.

Sem título7

Cena em que Shaka (orca) chega perto de Beto. 

A narrativa versa sobre um guarda-florestal, gaúcho, chamado Beto Bubas, que vive sozinho em uma casa bem rústica, cercado pelo mar,  leões marinhos e  orcas. Uma orca batizada de Shaka, tem uma amizade especial com o protagonista.

Sem título1

Joaquín Funiel interpreta Beto Bubas. 

Um dia Beto leva para sua casa, um leão marinho ferido para cura-lo. Nesse momento, ele encontra Lola, que tinha vindo da Espanha com seu filho Tristán.

Tristán é uma criança autista. O autismo é uma desordem neurológica, que faz com que a pessoa não crie conexão com o externo.

Uma vez em sua casa, assistindo a um documentário da National Geographic, sobre a relação de Beto com as orcas, Tristán demonstrou uma reação positiva. 

Lola teve esperanças de que o contato do menino com Beto e as orcas, pudesse fazer com que ele melhorasse. 

No início o guarda-florestal demonstra receio em se abrir para uma amizade com a mãe de Tristán. O garoto, a princípio, não mantém nenhum contato e nem demonstra interesse por nada.

Sem título5

Joaquín Rapalini Olivella interpreta Tristán. O ator não é autista, mas conseguiu passar muito bem a falta de conexão com o entorno. 

Aos poucos, Beto começa a se identificar com o garoto, percebendo em Tristán um amor latente pelas orcas.

O gaúcho começa a levar o menino em um barco para ter contato com as orcas. No início, o garoto demonstra muito medo. Mas, aos poucos ele vai se soltando cada vez mais, a ponto de balançar as mãos na água, chamando a  Shaka.

Em um momento de tensão, Tristán vai atrás de uma orca e some das vistas de Lola, que entra em desespero. Beto ao contrário confia no instinto do menino.

Gerardo Olivares mostra o povoado perto do farol, onde as pessoas vivem uma vida muito modesta, porém, feliz. É muito interessante conhecermos a cultura local.

Sem título4

O cineasta opta por representar a cultura local. 

O filme mostra a natureza imensa e o ambiente é inóspito. Beto é extremamente integrado à paisagem, assim como aos poucos, Tristán também se torna.

Sem título3

As cenas são muito bem construídas. 

O poder do local é tanto, que o ser humano aparece muito pequeno, face à tanta beleza e imensidão.

Sem título

Vemos Beto minúsculo, completamente integrado à paisagem. 

A obra contou com imagens reais e computação gráfica. A fotografia é maravilhosa e a composição excelente.

O Farol das Orcas mostra o lado bonito do ser humano em uma relação saudável com o ambiente.

Sem título6

Foto de Beto e Tristán reais. 

É um filme que vale muito a pena conferir.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s