Resenha doc.: O Mercador (Sovdagari)  – Tamta Gabrichidze

O Mercador é um documentário da Netflix, que se passa no interior da Geórgia, onde o único elo da população camponesa com a cidade e seus produtos, se dá através de um comerciante.

A Geórgia é um país da Europa Oriental. No início do século XIX, foi anexada ao Império Russo. Em 1921, houve uma revolução comunista tornando-se República Socialista Soviética Geórgia. Com a queda da URSS, o país obteve sua independência.

Pelo que pude observar no documentário, a população rural vive basicamente da plantação de batatas.

O capitalismo e a tecnologia parecem que não chegaram lá, pois, praticamente toda a colheita é feita por pessoas.

colheita de batatas

É possível perceber a falta de mecanização no campo.

Em uma cena, um senhor que planta batatas, não sabia o preço do seu produto e parecia ter pouco interesse em vende-las.

O tempo parece que não passa, a cineasta faz questão de mostrar a lentidão em que tudo acontece.

tempo não passa

Tamta opta por poucos movimentos nas filmagens, para mostrar-nos o ritmo de vida na Geórgia. O tempo histórico é diferente do que vivemos nas grandes metrópoles.

Sem título

As roupas das crianças são as mesmas de um adulto. O documentário não mostra escolas ou crianças se dirigindo à elas.

Os produtos do mercador são trocados praticamente por batatas, ou seja, é uma população que ainda vive de escambo.

Sem título2

As mercadorias são trocadas por batatas.

Quando observamos as mercadorias, que estão sendo vendidas tomamos consciência da globalização, pois são os mesmos produtos que encontramos no Brasil. Como, por exemplo, esponja de lavar louça e echarpes.

Sem título 1

Mulheres comprando echarpes.

A realidade de uma criança de classe média brasileira é pautada por jogos de computadores e tablets, porém, na Geórgia as crianças ainda se encantam com bolinhas de sabão.

bolinhas

Crianças brincando com bolinhas de sabão.

A pressão que recai sobre as crianças ocidentais em geral de “um futuro prodigioso”, não faz parte da realidade das crianças georgianas, pois quando a cineasta pergunta o que um garoto quer ser quando crescer, ele hesita, a mãe responde atrás “jornalista”, mas o menino continua calado. Possivelmente, os questionamentos em relação ao futuro não fazem parte da realidade, as pessoas vivem o presente.

menino sem futuro

Percebemos que não há televisão na casa, mas somente um rádio que toca músicas georgianas. 

As casas apresentam falta de pintura e vidros quebrados. Na época da URSS o governo consertava as residências, com a queda do sistema, as moradias ficaram sem reformas. A população  não tem condições de fazer isso por conta própria.

Fica a dica para vocês de um documentário diferente e interessante, pois, vemos outras realidades e modos de vida.

Eu não encontrei o trailer, mas para quem se interessar o documentário está disponível na Netflix. 

Anúncios

5 comentários sobre “Resenha doc.: O Mercador (Sovdagari)  – Tamta Gabrichidze

  1. Também fiquei sem fala como o menino que não soube responder o que seria no futuro. Isso é pela total negligencia em não terem nenhuma preocupação com o futuro das novas gerações. Ele e outras crianças, manuseiam cadernos e canetas do mercador, como qualquer outra mercadoria, foi quando percebi que não são alfabetizados, e assim a falta de perceptivas do que poderia ser.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s