Resenha livro: O Conto da Aia – Margaret Atwood

O Conto da Aia é uma distopia, que se passa em 1985, em um país fictício chamado Gilead.

Margaret Atwood parte de uma fantasia, mostrando um mundo horrível (distopia), para discutir problemas reais, vinculados à regimes teocráticos, falta total de liberdade e principalmente, a perda dos direitos e violência contra as mulheres.

A narrativa é feita em primeira pessoa, por uma aia chamada Offred (não é seu nome real, pois, as mulheres perderam seus nomes) e ganhavam um patronímico de acordo com a casa da pessoa em que era designada para trabalhar.  Offred significa de “De Fred”, pertence a Fred.

Resultado de imagem para conto da aia
Cena da série The Handmaid’s Tale.

A República de Gilead surgiu a partir de uma revolução teocrática no século XXI. Sua construção teve por base os preceitos puritanos do século XVII, que constituem o inconsciente coletivo norte-americano.

O mundo anterior à revolução foi tomado pela promiscuidade sexual, doenças venéreas, como AIDS e contaminação radioativa, deixando a maioria das mulheres inférteis.

As mulheres que ainda continuaram férteis eram as aias, que receberam a incumbência de gerar filhos para a família dos Comandantes.

Elas eram obrigadas a usarem um vestido vermelho e um chapéu com abas enormes, que as impediam de olhar dos lados.

A sociedade de Gilead se estabeleceu de acordo com castas: as aias procriadoras, as martas – empregadas domésticas, as tias – especializadas em lavagem cerebral das aias, as esposas dos Comandantes – elite da sociedade, os Comandantes – líderes sociais, os Guardiães – soldados e as “não mulheres”: homossexuais, feministas, adúlteras e mulheres inférteis de maneira geral, que ficavam em uma espécie de campo de concentração nazista.

Antes da revolução teocrática Offred vivia uma vida normal, tinha uma carreira, um marido, uma filha e uma mãe com pensamentos libertários. Quando os fanáticos tomaram o poder, as mulheres perderam seus empregos, suas contas nos bancos e não podiam sair de casa sem algum homem da família.

De repente, Offred se vê na função de aia, seu marido e sua filha desaparecem.

Dessa forma, a narradora é designada para “trabalhar” na casa de um Comandante do Exército de Gilead. Sua função era procriar.

“Tenho trinta e três anos. Tenho cabelos castanhos. Tenho um metro e setenta de altura descalça. Tenho dificuldade de me lembrar da aparência que eu costumava ter. Tenho ovários viáveis. Tenho mais uma chance. ”

A relação sexual se daria da seguinte forma. A esposa do comandante estaria presente e seguraria os braços da aia, enquanto o Comandante a estuprava (vamos nomear corretamente).

Quando a criança nasce a aia dá o bebê para ser criado pela família, que a recebeu e vai “servir” em outra casa. Nunca terá contato com a criança.

Gilead tem alguns rituais, como por exemplo, as aias têm o direito de espancar em praça pública um homem considerado estuprador. No entanto, esse homem pode ser simplesmente, um dissidente do regime.

As mulheres, que por algum motivo, não cumprem suas funções são enforcadas e seus corpos ficam pendurados em um muro, servindo de exemplo para as demais pessoas.

Os cremes para a pele são proibidos e Offred, que tem a pele seca, passa manteiga para remediar o problema.  

O momento do parto de uma aia é bizarro. Todas as aias se ajuntam e ficam cantando músicas e “vivendo o momento”, enquanto as mulheres dos Comandantes ficam no quarto ao lado, sentindo as dores e gritando.

Um ponto angustiante é quando o Comandante começa a querer se relacionar com Offred, visto que, nenhuma troca de palavras entre eles é permitida.

Por mais bizarro que a narrativa de Margaret Atwood possa parecer, analisando historicamente vemos que não é tanto. Eis uma pequena amostra:

      • Marjane Satrapi, como várias moças iranianas, teve que fugir do seu país natal, após a revolução islâmica, pois, eram consideradas “liberais demais” e poderiam ser assassinadas. As mulheres foram proibidas de cursar faculdades e exercer diversas profissões.
    • marjane-satrapi
      Marjani Satrapi fugiu do regime teocrático do Irã.
      • Nicolae Ceausescu ditador comunista da Romênia, governou o país de 1965 – 1989 quando foi executado. Chegou a proibir o uso de qualquer método contraceptivo pelas mulheres, pois todas eram obrigadas a terem filhos.
      •  
    nadia-comaneci-1976-trave
    A ginasta Nadia Comaneci fugiu do regime de Ceausescu.
    • Revolução Talibana no Afeganistão fez com que as mulheres perdessem todos os direitos civis, obrigando-as a usarem burcas sob pena de morte.
    • Resultado de imagem para afegãs com burca
      Não há nenhuma parte no Corão, que obriga o uso da burca. Na ditadura promovida pelo Talibã, dentre muitos absurdos, uma mulher pega sem burca era condenada à pena de morte.
    • O Estado Islâmico sequestra mulheres de outras etnias e religião e as utilizam como escravas sexuais.
    • Resultado de imagem para meninas sequestradas Boko Haram
      Universitárias nigerianas sequestradas pelo Boko Haran, braço do E.I.
    • Em alguns países islâmicos as mulheres quando são estupradas são obrigadas a se casarem com seus agressores.
    • Meninas são forçadas a se casarem com homens mais velhos em muitos países. 
Resultado de imagem para casamentos de homens com meninas
Crianças são forçadas a se casarem em diversos países.
  • Milhares de mulheres e crianças são traficadas no mundo inteiro para servirem como escravas sexuais.
  • Hipnose e água benta são usados para “curar” homossexuais na Rússia. 
  • Imagem relacionada
    Protesto de homossexuais na Rússia.
  • A prostituição infantil é uma realidade em diversos países.  
  • Resultado de imagem para prostitutas infantis
    Turismo sexual infantil na Tailândia. 
  • 200 milhões de meninas em vários países tem seu clítoris arrancado.
  • No Brasil temos 135 estupros por dia.Resultado de imagem para estupros no brasil

Vemos que o livro da Margaret Atwood não é uma história tão irreal como podemos verificar. 

A leitura é bem fluída, no entanto, teve momentos em que eu tive que parar, pois, tem partes muito tristes. Conforme Offred vai narrando vai dando muita angústia e sentimento de impotência.

Recomendo esse livro para qualquer pessoa, pois, as reflexões que ele traz são importantíssimas, para valorizarmos nossa liberdade e autonomia.

Persépolis – Marjane Satrapi:

https://juorosco.blog/2017/03/30/resenha-quadrinhos-persepolis-marjane-satrapi/

 

Anúncios

8 comentários

  1. Olá, Juliane! =)

    Achei bem interessante como você relacionou o Conto da Aia aos fatos verídicos que existem e infelizmente ainda continuam existindo, uma minoria sempre é eleita, a maior parte é formada por mulheres que ainda são vistas como o sexo frágil e são expostas como objetos a crueldade e egoísmo humano.

    Comprei esse livro a pouco tempo, ainda estou lendo e pretendo ver a série. Bjs

    Curtido por 2 pessoas

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s