Resenha livro: Os Bebês de Auschwitz – Wendy Holden

Wendy Holden nos conta a história de três bebês, que nasceram em condições de inimagináveis, dentro de um campo de extermínio nazista. A história é real e nos é contada em terceira pessoa, a partir dos depoimentos das três mães sobreviventes.

babies1-1024x640
Encontro dos três “bebês”sobreviventes: Eva, Mark e Hana.

Contra todas as possibilidades, essas crianças conseguiram subsistir à desnutrição, stress extremo, doenças, sujeira e total desumanização, condições que suas mães foram submetidas.
A narrativa começa contando a história das três mulheres: Priska, Rachel e Anka, antes da guerra.

Priska-with-Hana
Priska com sua filha Hana.

Priska Lowenbeinová vivia em Bratislava na Tchecoslováquia e lecionava eslovaco, tinha uma vida normal de classe média até os nazistas ocuparem seu país e começarem as deportações.
Em 1941, a jovem com 25 anos se casa com o jornalista Tibor Lowenbein. Os relatos dos guetos e campos de prisioneiros que chegavam até eles pareciam muito absurdos para serem verídicos.

“Apesar de tudo o que passaram, Priska e Tibor não conseguiam conceber que Hitler não estava brincando quando prometeu erradicar todo ser humano de origem étnica indesejável a fim de criar uma raça pura. Afinal de contas, os alemães eram o povo mais culto e civilizado do mundo.”

Com essa ilusão, em 1944 o casal tentou ter uma criança. No dia de Yom Kipur, o Dia do Perdão, um dos mais sagrados na religião judaica, os jovens rezaram para que o bebê, que estava sendo gestado, conseguisse sobreviver.

Dois dias depois, a polícia eslovaca invadiu a casa dos judeus e ordenou que todos fizessem no máximo duas malas pequenas, pois seriam deportados.

Acabaram em Auschwitz, onde Priska foi separada de seu marido e sua família. O primeiro desafio era passar pela seleção médica, em que o terrível médico nazista Josef Mengele, perguntou: “Bom dia, moça bonita, você está grávida?” Prontamente, a jovem respondeu não e foi direcionada para ter os cabelos raspados, o número tatuado e receber a roupa suja listrada.

Mark-Olsky-400x400
Rachel com seu filho Mark.

Rachel Friedman vivia em Pabianice na Polônia, vinha de uma família de judeus reformistas ou assimilados, raramente iam à sinagoga, apesar de falarem iídiche (língua dos judeus do leste europeu) em casa.

lodz starving
Judeus no gueto de Lódz.

Assim que concluiu o ensino médio, a jovem se casou com um rapaz chamado Monik Friedman. Assim, como Priska e Tibor, eles não acreditaram em Hitler, estavam otimistas.

Com a ocupação nazista na Polônia, os judeus passaram a ser ostensivamente perseguidos: “Os homens do movimento hassídico, sobretudo, foram as grandes vítimas da violência gratuita, sendo parados e hostilizados nas ruas, com coronhadas de espingarda e outros gestos de abuso de poder. Alguns tiveram sua barba cortada ou totalmente raspada, e outros foram obrigados a esfregar as calçadas com escovas de dente ou com manto de rezas.”

Em 1942, o casal e a família de Rachel foram mandados para o gueto de Lodz, na Polônia e foi lá que a jovem engravidou do seu primeiro filho. Posteriormente, o gueto foi liquidado e todos foram enviados para Auschwitz, onde a moça teve que esconder sua gravidez para sobreviver.

Anka e Eva
Anka com sua filha Eva.

Anka Nathanová era uma jovem tcheca de 27 anos, da noite para o dia a Tchecoslováquia foi cercada pelos nazistas e alguns judeus foram levados para o gueto de Terezín, dentre eles a jovem e seu marido, nesse lugar acabou engravidando.

Mesmo passando por inúmeras provações em alguns campos de concentração e extermínio, as três mulheres conseguem sobreviver, mesmo estando grávidas.

Priska pesando apenas 31 quilos deu à luz a Hana, Rachel na mesma situação concebeu Mark em um vagão aberto, que era destino a transportar carvão e Anka gerou Eva nos portões do campo de extermínio.

Em 5 de maio de 1945, os americanos chegaram no campo de extermínio de Mauthausen na Áustria e para a surpresa deles encontraram três bebês sobreviventes contra todas as possibilidades.

Wendy Holden fez uma ampla pesquisa sobre a vida das três mulheres, antes, durante e depois da guerra, fornecendo sempre contextualizando os fatos historicamente.
É um livro que vale muito a pena conhecermos, pois, além nos mostra a força da superação em condições completamente extremas.

Me siga no instagram! Lá eu posto tudo que li ou estou lendo!! https://www.instagram.com/oroscojuliane/

Anúncios

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s