Resenha livro: Uma Vida Chinesa: O Tempo do Pai – Li Kunwu e P. Otiê

“Uma Vida Chinesa” é um quadrinho autobiográfico, em três volumes, de Li Kunwu, que narra a sua história de vida, tendo como pano de fundo a China pós revolução comunista.

No início do século, o país era governado por uma monarquia e dominado de forma imperialista pela Inglaterra e França, fato que gerou vários movimentos nacionalistas.

Os nacionalistas entraram em guerra civil contra os Senhores da Guerra, que eram chefes militares e donos de terra.

Após a Revolução Russa, os comunistas começaram a ganhar força dentro da China.

Nesse processo, os nacionalistas e comunistas liderados por Mao Tsé Tung entraram em conflito, que foi interrompido devido a invasão japonesa na década de 30.

Com a derrota japonesa na Segunda Guerra Mundial, a guerra civil foi retomada em 1946 e vencida pelos comunistas.

Quando Mao Tsé Tung assumiu o poder, ele começou a fazer várias mudanças sociais na China, esse é o pano de fundo de narrativa.

mao-tse-tung
Mao Tsé Tung assume o poder na China. Se inicia várias reformas econômicas e culturais.

Muitos costumes feudais começaram a ser proibidos, como por exemplo, o antigo costume de enfaixar os pés das mulheres, para que não crescessem, pés pequenos eram considerados bonitos.

fanatismo (2)
Após a Revolução a lavagem cerebral se inicia.

Um dos momentos mais terríveis retratado na obra foi a Grande Fome de 1960.

De 1958 a 1962, 45 milhões de chineses morreram de fome, como consequência do “Grande Salto para Frente”, um plano econômico de desenvolvimento que pretendia elevar a China no nível das potências ocidentais.

O pior não é que não havia comida disponível, mas ela era usada para forçar as pessoas a cumprirem as tarefas atribuídas pelo Partido Comunista.

As pessoas doentes e os idosos que tinham poucas condições de trabalharem se viram sem acesso às cantinas comunitárias e acabavam morrendo mais rápido de fome.

Grande forme
O autor aponta que as pessoas chegavam a enlouquecer devido a fome.

“O Estado chinês adotou a violência extrema como norma para impor a criação de grandes comunas agrícolas, nas quais homens e mulheres viviam em casas separadas e perdiam o controle da criação de seus filhos. Até cozinhar dentro de casa era proibido. Obrigados a falsificar números da produção e a entregar todo ao Estado o grão que produziam, os camponeses eram literalmente privados de comida – e de forças para reagir. Outro fator considerável foi a crença incondicional em Mao e no PC chinês, resultado de uma lavagem cerebral intensa e sistemática. “Tudo foi coletivizado”, escreve Dikötter. “Muito rapidamente o paraíso utópico provou ser um enorme quartel militar. A coerção e a violência eram as únicas formas de garantir que as pessoas executassem as tarefas que lhes eram ordenadas pelos membros locais do Partido.” Jornal O Globo, 17-04-2017.

Outro lado muito assustador do regime de Mao Tsé Tung foi a Revolução Cultural.

Tudo o que era considerado velha China deveria ser destruído, então os nomes que os pais davam para os filhos, que eram vinculados ao antigo regime foi modificado.

Cortes de cabelos vistos como ocidentais foram banidos, o autor que era criança na época chegou a desenhar um manual com os cortes proibidos e permitidos pelo Estado.

cortes de cabelos
O autor quando criança fez um manual apontando os cortes de cabelos proibidos e permitidos pelo Estado.

Conforme relatado pelo autor, o Partido Comunista colocou as crianças para fiscalizarem os adultos.

As crianças tinham que decorar o livro vermelho do Mao
As crianças tinham que decorar o Livro Vermelho do Mao Tsé Tung.

Elas entravam nas lojas, nas casas, nos salões de cabeleireiros e em todos os lugares para verificarem se não tinha nada “burguês”, ou qualquer coisa que contradissesse o Estado.

Os meninos e meninas passaram por uma completa lavagem cerebral, cantavam canções, que diziam que o amor dos pais não valia nada e sim o amor do país, enfim, as pessoas se tornaram completamente condicionadas as obedecerem.

professores passam a ser
Os professores foram humilhados pelas crianças, por estarem cobrando notas e ensinando as disciplinas.

Por delações de crianças, muitos adultos foram presos, até o pai do autor chegou a ficar 10 anos preso sendo “reeducado”.

crianças começam
Adultos foram presos por denúncias de crianças.

Esse foi um quadrinho que gostei muitíssimo de ler, visto que conheci um pouco da história da Revolução Chinesa e seus desdobramentos na vida prática do cidadão.

Super recomendo para quem gosta de História, se interessa pela história da China, ou como eu quer aprender um pouco mais sobre regimes autoritários.

Li

Li Kunwu é o narrador da obra, um dos raros artistas chineses de sua geração a ter se dedicado exclusivamente aos quadrinhos e a viver deles.

Em trinta anos de atividade, mais de trinta obras suas foram editadas na China, e ele foi publicado nas revistas de HQ chinesas mais emblemáticas.

Começou como especialista em HQ de propaganda, passando em seguida a estudar as minorias culturais chinesas, tão abundantes em sua província, Yunnan.

P. Ôtié viveu no Extremo Oriente durante mais de dez anos, e esta é sua primeira obra de história em quadrinhos.

Me siga no instagram!! Lá eu posto todos os dias sobre os temas: Segunda Guerra Mundial, Nazismo, Holocausto e outros temas. https://www.instagram.com/oroscojuliane/

Referência: http://g1.globo.com/pop-arte/blog/maquina-de-escrever/post/mao-e-o-grande-salto-para-fome-um-catalogo-de-horrores.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s