Resenha texto: “As Causas Psicológicas do Nazismo” – Anatol Rosenfeld. In: Preconceito, Racismo e Política.

Anatol Rosenfeld explica no texto “As Causas Psicológicas do Nazismo” por que, principalmente a pequena e média burguesia, incluindo pequenos camponeses (correspondem hoje a classe média baixa), contribuíram para a formação das hordas fanáticas do nazismo.

O nacional-socialismo é considerado a “revolução da pequena burguesia”. Esta classe abrangeu os artesãos, funcionários de escritórios e pequenos comerciantes.

nazistas classe média
A classe média e a classe média baixa viram no nazismo a sua salvação.

As classes do baixo proletariado, os ricos, chamados de a grande burguesia, a elite católica, os industriais e os grandes fazendeiros (junkers) nunca foram nazistas no sentido genuíno, mas viram em Hitler uma maneira de conter uma revolução comunista.

Os operários estavam divididos pela luta entre comunistas e sociais democratas, uma luta trágica que solapou a consciência de classe e a força de resistência contra o fascismo.

Esse processo tornou a classe operária descrente, com um sentimento derrotista e psicologicamente desarmada para enfrentar a “revolução da pequena burguesia”.

O caráter autoritário se intensificou nessa camada da população (pequena burguesia) devido à sua situação desesperada.

“Empobrecida pela inflação, inferiorizada pela ascensão dos operários, proletarizada pela pressão da elite financeira, essa classe viu-se colocada como que entre as garras de um enorme alicate.”

A destruição do império do Kaiser destituiu a referência dos pequenos burgueses, além de sua almejada submissão.

Hitler saiu desse estrato social e é de nosso conhecimento, que ele era sadomasoquista sexual e moral.

O sadomasoquismo moral se traduz numa vontade doentia de poder e dominação, ligação a uma ânsia, igualmente doentia, de submissão e auto-diminuição.

Seria aquela pessoa que perto de alguém poderoso humilha-se e ajoelha-se, mas que em relação ao mais fraco o trata com brutalidade.

O maior problema é que o sadomasoquista moral só se sente bem dentro de uma hierarquia rigorosa, na qual sempre há alguém por cima e alguém abaixo dele.

Eichmann
O medíocre Eichmann representa bem esse estrato social acostumado a obedecer os superiores e perverso com quem está embaixo.

De um modo geral, a evolução da humanidade tem sido a luta constante por maior liberdade individual.

Aos poucos o ser humano vai “emergindo” da união com a natureza e a tribo, essa emergência assumiu a forma mais radical durante a Idade Média (levando em consideração aqui somente a cultura ocidental).

Durante a Idade Média o homem vivia relativamente preso de uma ordem social e passava a vida toda nela.

Até geograficamente estava fixado, às vezes, de modo incondicional.

idade-media
Na Idade Média as pessoas estavam condicionadas a uma estrutura social que quase nunca se alterava.

O artesão tinha que que vender seu produto a um preço fixo. A vida econômica e social estava dominada por regras.

Todas as perguntas eram respondidas pela Igreja, o europeu estava certo de sua localização no universo espiritual e geográfico.

Esse homem medieval pensava de acordo com categorias, como povo, família e religião.

Quando esses laços foram cortados, o camponês foi expulso da terra para os burgos ele perdeu esse laço e não há como voltar.

a-classe-burguesa-floresceu-na-idade-moderna-e-dominou-o-mundo
Os camponeses foram expulsos das terras e passaram a morar na cidade. Isso gerou um certo trauma e um desejo de retorno à antiga vida, o que não é possível.

Na Renascença, o ocidental passou a ter noção de individualidade, a expressão mais nítida foi o liberalismo e o capitalismo.

A Reforma Protestante contribuiu bastante, pois enfraqueceu o papel da Igreja. No entanto, o protestante precisa “lidar” com Deus sozinho.

Apesar do homem ter conquistado sua liberdade ele não aprendeu o que fazer com ela.

O indivíduo viu-se sem proteção, o mundo não era mais o mesmo da Bíblia, assim o ser humano também se compreendeu de maneira insignificante.

Naquele momento havia a possibilidade de subir socialmente, de ganhar dinheiro, de pensar, mas não havia mais corporações para as profissionais e nem leis que restringissem a concorrência.

O indivíduo conquistou uma suposta liberdade, mas perdeu a proteção. Ele foi lançado numa luta de todos contra todos.

greve de 1917
Na foto vemos a Greve Geral em 1917 no Brasil. O ser humano foi lançado num sistema em que todos compete com todos.

Nessa situação, o ocidental sente sua independência como um fardo e anela pela libertação da “liberdade que para ele é insuportável”.

Assim incorporando-se a uma massa o indivíduo se vê fortalecido.

O impulso masoquista é a expressão inconsciente de uma tentativa de aniquilação do “Eu”, através da sujeição a um poder superior.

O sádico na verdade é uma pessoa fraca, pois sua vontade de poder é um sinal da sua dependência.

Dentro de tudo isso entra a pequena burguesia alemã uma classe brecada nos seus impulsos e cercada de hipocrisias. Ao mesmo tempo que são indivíduos com força para se autos sacrificarem, são tenazes, tem ética do trabalho e disciplina. Tudo isso foi absorvido pelo nazismo.

fita-branca
Cena do Filme “A Fita Branca” de Michael Haneke. O filme expressa muito bem a hipocrisia que cercava a classe média alemã.

Para explicar esse indivíduo, Anatol usa a imagem da cebola não se acha caroços, apenas cascas.

Me siga no Instagram!!! https://www.instagram.com/oroscojuliane/

Resenha do filme “A Fita Branca”: https://juorosco.blog/2017/07/24/resenha-filme-a-fita-branca-michael-haneke/

Me siga no Youtube!

3 comentários

  1. Juliane na sua opinião o radicalismo do estado islâmico é parecido com o nacional socialismo ? faço a pergunta porque eu assisti a série Califado (ótima por sinal) e muitas atitudes deles lembram a intolerância,a violência e o radicalismo do NS principalmente no recrutamento e na doutrinação dos jovens,coisa que a juventude hitlerista fazia com muita eficiência e também lembrando que os nazistas tinham simpatia pelos muçulmanos pois ambos compartilhavam do anti semitismo e os alemães admiravam a disciplina (vamos dizer assim) dos muçulmanos,tanto é que a legião árabe se aliou a Werhmacht pra lutar na segunda guerra que era o: ”845 ° batalhão alemão árabe”

    Curtido por 1 pessoa

    • Oi Bruno, acho que tem similaridades na questão do fanatismo, mas eu não conheço de forma profunda as questões individuais das sociedades islâmicas. O mundo árabe sofreu com o colonialismo, então não sei até que ponto isso não foi uma reação. Teria que estudar de forma mais aprofundada essas sociedades. Abraços.

      Curtir

Deixe uma resposta para Bruno A. Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s