Resenha livro: O Ciclo das Águas – Moacyr Scliar

Moacyr Scliar é um escritor de origem judaica nascido em Porto Alegre em 1937, vindo a falecer em 2011.

Seus pais eram judeus vindos da Bessarábia, território que pertencia ao Império Russo.

Moacyr Scliar

Formado em Medicina conciliou a profissão de médico, professor universitário e escritor.

Sua prolífica obra consiste de contos, romances, ensaios e literatura infanto juvenil. Também ficou conhecido por suas crônicas nos principais jornais do país.

O livro trata de uma história baseada em fatos de uma mulher judia prostituída, que foi sua paciente.

Antes de entrar na história do livro vou falar sobre a máfia de judeus que atuava no Brasil, Argentina e Estados Unidos traficando, mulheres judias principalmente do Leste Europeu.

Elas eram enganadas com promessas de casamento ou emprego e quando chegavam no continente americano eram forçadas a se prostituírem.

Essa máfia se chamava Zwi Migdal e se disfarçava de instituição de caridade judaica.

A prática envolvia normalmente um cafetão e uma cafetina, que se passavam como mãe e filho e enganavam as mulheres, normalmente as mais velhas, para depois eles voltarem e recrutarem também as mais novas.

A Zwi Migdal foi desbaratada na Argentina, com a ajuda de uma moça chamada Raquel Liberman, que também fora enganada e forçada a se prostituir.

Assista ao vídeo e veja a resenha no YouTube.

O livro tem duas personagens principais, uma jovem chamada Esther e Marcos com dois narradores diferentes.

Marcos narra em primeira pessoa, sua história que envolve o ciclo das águas, que vai se alterando conforme a personalidade dele e de Ester se alteram.

A outra protagonista é Ester, uma jovem prostituída vinda da Polônia.

Esther vivia com sua família em uma aldeia polonesa, até que seu amigo de infância – Mêndele, que havia ido para Argentina volta e lhe propõe casamento.

Shetl (aldeia judaica) na Ucrânia na época Império Russo.

 Mêndele no início é estranho, um tanto frio, mas logo lhe propõe casamento. Uma festa é feita, e tudo acontece as mil maravilhas.

No entanto, no navio, Ester já começa a perceber que tem algo estranho. Mendele não a toca em nenhum momento.

Quando eles chegam em Paris, seu marido a leva em um bordel, onde ela é estuprada. Mesmo que o narrador não tenha nos ditos que é um estupro.

No navio a caminho para Argentina, Mêndele morre e Ester fica aos cuidados dos amigos do marido.

Chegando em Buenos Aires, ela conhece o cafetão chamado Leiser.

Uma coisa me incomodou na história. Ester foi preparada para ser prostituta na Argentina, ela vira a chave de maneira muito rápida. Sua adaptação é muito ligeira.

O mesmo acontece quando, ela é transferida para o prostíbulo de Porto Alegre, onde começa a atender a elite gaúcha.

Nesse ínterim ela se apaixona por um rapaz chamado Rafael e engravida dele, Leiser, o cafetão, a obriga fazer aborto.

Esther foge pois não quer fazer aborto. Eu vou deixar a partir daqui a história com você.

A protagonista é desprezada pela comunidade judaica. Tem um trecho em que ela quer assistir um filme em íidiche (língua dos judeus do centro e leste europeu) e leva uma cusparada. E em outros momentos também ela é bastante xingada.  

Eu gostei do livro, achei muito bom, interessante e de muita coragem ao abordar um tema tão difícil como o tráfico de mulheres.

Me siga no Instagram!

Segunda Guerra Mundial, Nazismo e Holocausto: https://www.instagram.com/oroscojuliane/

Arte, Literatura e Cultura: https://www.instagram.com/juliane.orozco/

4 comentários

Deixe uma resposta para Juliane Orosco Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s