Resenha livro: Pssica – Edyr Augusto

“Pssica” é um livro da literatura brasileira, autoria do paraense Edyr Augusto.

A palavra pssica vem do nhagatu – um idioma indígena e significa mal agouro. Em um momento da trama um dos personagens fala que alguém jogou uma pssica nele.

A narrativa me chamou a atenção por ter o tráfico de mulheres para prostituição como pano de fundo. Também, o livro fala sobre os “ratos d’água”, os piratas de rio.

O tráfico de mulheres para fins de exploração sexual é uma das indústrias mais lucrativas do mundo, depois do tráfico de drogas e do tráfico de armas.

Segundo os dados do Escritório das Nações Unidas para as Drogas e o Crime, 80% das vítimas do tráfico humano são mulheres e meninas.

Países de origem são os locais onde o tráfico acontece , depois de cooptadas as mulheres são levadas para um país de trânsito e posteriormente ao destino.

O Brasil funciona como país de origem e de destino.
A China é o destino da maioria das brasileiras cooptadas para exploração sexual, além de Portugal, Espanha e França.

A América Latina tem sido a terceira maior fonte de tráfico humano do mundo, depois do Sul e Sudeste asiático, sendo o Brasil, Colômbia, República Dominicana e Equador os países de maior fluxo.

O autor explicou em uma entrevista, que Belém é uma cidade onde há uma elite muito rica cercada por um cinturão de pobreza. Nessa situação muitos pais vendem as filhas para a prostituição.

É dentro desse contexto que o autor trabalha a história.

Janalice é a protagonista da narrativa. Uma menina de 14 anos, que tem um vídeo vazado na internet, em que ela faz sexo com o namorado.

Seus pais a fim de separá-la do rapaz a manda viver no centro de Belém com a tia, onde ela passa a ser abusada sexualmente pelo tio.

Belém, Pará.

Procurando algum conforto diante da situação, ela faz amizade com uma menina usuária de crack, que a vende para o tráfico de pessoas.

Janalice é raptada e transformada em prostituta e literalmente vendida a homens.

As cenas são terríveis, dá um profundo desespero ver como essa realidade funciona. As mulheres são drogadas e prostituídas, chegando a fazer sexo com 20 homens em uma noite.

O segundo núcleo da história versa sobre o personagem Manoel Tourinhos, um rapaz angolano, que por ser branco foi apelidado de Portuga, ele vive na Ilha do Marajó.

Ilha do Marajó.

Portuga serviu no exército durante a revolução angolana. Por isso, guardava armas dentro de casa.

Sua vida muda completamente quando seu armazém é assaltado pelos “ratos d’águas”.

Algo acontece e ele procura vingança.

Nesse núcleo também está presente o Preá, um rato d’água, que acabará conhecendo a Janalice.

O autor disse em uma entrevista: “Na minha região, que é de muita capilaridade, os rios são as ruas. As pessoas trafegam em navios grandes, navios pequenos. E esses ratos d’água atacam não só as grandes balsas, mas, também, sobretudo as pessoas. Eles são muito violentos. Eles usam a violência como uma expressão de força. Eles machucam as pessoas. Eles estupram as mulheres na frente dos cônjuges pra que todos vejam a violência deles. A lei quase não chega ali e é determinada pelo mais forte. O arquipélago do Marajó tem quase cem ilhas. É uma área que não tem muitos recursos, não tem lanchas disponíveis, não tem pessoal disponível”

Essa realidade é mostrada ao longo da narrativa. O autor dá bastante destaque a terrível violência praticadas pelos piratas de rio.  

O livro é muito escrito, a leitura é frenética e sempre ficamos com aguçados para saber o que vai acontecer.

Me siga no Instagram!

Segunda Guerra Mundial, Nazismo, Holocausto: https://www.instagram.com/oroscojuliane/

Arte, Literatura e História: https://www.instagram.com/juliane.orozco/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s